Intercâmbio na Europa: qual país devo escolher?

share on

Vai fazer intercâmbio na Europa para trabalho e estudo, e está em dúvida sobre o país que mais combina com você e atende aos seus objetivos? Ou está tentando descobrir um jeito de ir para a Europa mais barato?

Neste post, reunimos as principais informações sobre alguns dos melhores países para fazer intercâmbio na Europa. Assim você fica por dentro das diferenças entre eles e das características que deve considerar para fazer uma escolha mais acertada. Vamos lá?

Irlanda

Conhecida como Ilha Esmeralda, por conta da vegetação exuberante (e sempre verdinha devido às chuvas abundantes), a Irlanda é um dos países mais procurados por estudantes estrangeiros. Um dos principais motivos para isso é justamente a possibilidade de trabalhar enquanto estuda, além de ter uma cultura bastante peculiar e interessante.

 

Posso estudar e trabalhar na Irlanda?

 

Na Irlanda é possível estudar inglês por seis a oito mesese trabalhar 20h semanaisdurante o período do curso ou 40h semanais no período das fériascom ovisto Stamp 2 (visto de estudo com permissão de trabalho). 

 

Os salários são calculados por hora trabalhada e o país tem uma das maiores médias salariais da Europa: 1656 €. Há boas oportunidades para brasileiros nas áreas de tecnologia, saúde e engenharia.

 

O que preciso para fazer intercâmbio na Irlanda? O visto deve ser solicitado quando você já estiver no país (você pode entrar sem visto e ficar por 90 dias antes de fazer a solicitação), mas para isso é preciso estar com toda a documentação em dia — ou você pode ser barrado(a) na imigração. Informe -se com um agência de intercâmbios que vai te orientar sobre o processo e requisitos de acordo com o tipo de curso que você pretende fazer.

 

Custo de vida na Irlanda

 

Osalário mínimona Irlanda gira em torno de10,20€ a horaÉ possível se manter por lá com esse valor pagando as despesas básicas (aluguel e demais contas relativas a moradia, alimentação etc.), sem luxos. Provavelmente você terá que dividir casa e quarto com outras pessoas.

 

Claro que os gastos variam de acordo com seu estilo de vida e também com a cidade em que você estiver. Em Dublin, que é a capital, os alugueis costumam ser mais caros. Outras opções de cidades seriam Galway, Limerick e Cork.

 

Pontos positivos e negativos da região

Positivos

  • Boas oportunidades de emprego e salário mínimo elevado.
  • Pouca burocracia para conseguir visto.
  • Possibilidade de viajar para outros países europeus (muitas promoções de passagens aéreas).
  • Qualidade de vida: saúde, segurança e lazer.

Negativos

  • Pode haver dificuldade de adaptação em relação à comida, que é bem diferente da brasileira e ao clima, já que os dias na Irlanda são predominantemente chuvosos e nublados.
  • Aluguéis caros (principalmente em Dublin) e pode ser difícil encontrar moradia.

 

 

Suíça

Um dos países mais ricos e desenvolvidos do mundo, situado no coração da Europa — a Suíça faz fronteira com França, Alemanha, Itália e Áustria. As belezas naturais encantam, com grandes bosques, lagos e montanhas (especialmente na região dos Alpes).


Alto padrão de vida e organização são características marcantes da Suíça, conhecida como 
terra do relógio”, devido à cultura da pontualidade extrema. O país é dividido em regiões de origem alemã, francesa e italiana, portanto é poliglota e multicultural. Além disso, a Suíça tem um dos melhores níveis de ensino do mundo todo, e por isso é muito desejada por estudantes estrangeiros.

 

Posso estudar e trabalhar na Suíça?

Estudantes brasileiros podem trabalhar na Suíça depois do sexto mês morando lá. O número de horas permitidas é definido para cada cantão (como são denominadas as unidades administrativas no país).

O primeiro passo para conseguir o visto de estudos é ser aceito em uma instituição de ensino do país. As próprias universidades costumam ter uma página destinada a oferta de empregos, serviços e moradia. No caso de quem vai fazer doutorado, existem processos facilitados pelas universidades para contratar pesquisadores com salários bastante atrativos.

Também há possibilidade de fazer um curso de até 3 meses, com permiso ETIAS. Essa seria a opção ideal para um intercâmbio na Suíça cujo objetivo seja praticar o inglês ou alguma das demais línguas oficiais (alemão, francês, italiano e romanche) e sem pesar tanto no bolso, desfrutando esse país incrível em um período mais curto.

 

Custo de vida na Suíça

Zurique e Genebra são as cidades mais caras do país. Caso vá fazer um intercâmbio de estudos na Suíça, uma boa alternativa são as residências estudantis, de custo mais acessível. Outra opção para diminuir custos é morar em algum subúrbio no entorno das grandes cidades, já que o transporte público no país é bastante eficiente.

 

Pontos positivos e negativos da região

Positivos

  • Paisagens belíssimas (você se sente morando em um quadro).
  • Ambiente cosmopolita, que proporciona ricas trocas culturais e acesso a museus, festivais e lugares históricos.
  • Limpeza e organização, como se vê em poucos lugares do mundo.
  • Qualidade dos serviços de saúde, mesmo os mais básicos.

Negativos

  • Como há 4 línguas oficiais no país, o inglês pode não ser suficiente para você conseguir se comunicar e se virar bem, dependendo da região em que estiver.
  • O custo de vida, em geral, é alto.
  • A pouca incidência de sol e o frio intenso na Suíça podem incomodar quem está acostumado ao clima tropical do Brasil.

 

Alemanha

Humanitária, democrática, moderna e rica, a Alemanha atualmente é o principal motor econômico da Europa, pilar da União Europeia e uma das principais potências mundiais.

Além disso, tem mais vizinhos que qualquer outro país no continente, fazendo fronteira com Dinamarca, Polônia, República Tcheca, Áustria, Suíça, França, Luxemburgo, Bélgica e Países Baixos.

 

Posso estudar e trabalhar na Alemanha?

Na Alemanha, estrangeiros com visto de estudante podem trabalhar por até 20 horas semanais. O fato de o euro ser uma moeda extremamente valorizada pode assustar, mas acontece que é possível viver bem no país com uma quantia razoável de dinheiro local.

Além disso, fazer intercâmbio na Alemanha vale a pena porque há muitas bolsas de estudo oferecidas por fundações políticas e educacionais.

Para ficar por até 90 dias no país, sendo turista ou estudante, não é exigido visto, apenas passaporte com data de expiração superior a 6 meses da data da viagem e seguro de viagem internacional com cobertura de 30 mil euros, conforme o tratado de Schengen.

 

Custo de vida na Alemanha

Por incrível que pareça, estudar na Alemanha pode ser barato comparado a outros países da Europa. Embora o custo de vida não seja necessariamente baixo, há muitas ofertas de “mini empregos” que não pagam mal. As próprias universidades oferecem vagas para os alunos ajudarem na biblioteca, nos restaurantes e na parte administrativa, por exemplo.

 

Pontos positivos e negativos da região

Positivos

  • Os alemães nutrem uma simpatia especial por brasileiros e, como já estão acostumados com muitos estrangeiros vivendo no país, costumam ser solícitos.
  • Localização: a Alemanha é uma ótima base para conhecer boa parte da Europa, já que faz fronteira com 9 países.
  • Para quem ama doces e cervejas, a Alemanha é o paraíso!

Negativos

  • Idioma: o alemão é considerado um dos mais difíceis de se aprender. Embora em boa parte do país seja possível se comunicar em inglês também, é imprescindível para quem vai fazer um intercâmbio na Alemanha se dedicar a aprender a língua local.
  • Clima: o inverno rigoroso em alguns meses do ano, com temperaturas bem abaixo do que nós, brasileiros, estamos acostumados, pode dificultar a adaptação.

  • Intercâmbio na Europa

Espanha

Clima e idioma parecidos com os do Brasil, pluralidade cultural e custo de vida mais baixo, se comparado a outros países da Europa, são alguns dos atrativos da Espanha.

O país é berço de grandes artistas, como Gaudí, respira arte e cultura, tem belas praias, uma cena gastronômica efervescente, com inúmeros bares e restaurantes badalados…

 

Posso estudar e trabalhar na Espanha?

Para fazer um intercâmbio na Espanha de estudo e trabalho, é preciso ter, no mínimo, 18 anos completos. O estudante deve estar matriculado em um curso intensivo de uma instituição de ensino de idiomas por um período mínimo de 25 semanas e que tenha, pelo menos, 20 horas semanais.

Para conseguir autorização para buscar um emprego, é preciso, além do visto de estudante, solicitar o cartão do estudante e o NIE (Número de Identificação do Estudante). A partir da solicitação do NIE, há um prazo estimado de 3 meses para que seja entregue, e só com ele em mãos o estudante poderá se aplicar efetivamente para vagas de emprego.

A autorização dura enquanto você estiver matriculado no curso, e não se pode ultrapassar 20 horas semanais de trabalho, com contrato formalizado por escrito.

 

Em relação aos salários, eles variam muito de acordo com a função e o seu nível de espanhol. Portanto, não se acomode com a facilidade de se comunicar em “portunhol” e se dedique pra valer a desenvolver e dominar o idioma.

 

Custo de vida na Espanha

A Espanha se destaca como um dos países da Europa com menor custo de vida, mas ainda é mais alto do que em Portugal, por exemplo, e o do Brasil, considerando São Paulo capital como parâmetro de comparação.

Em Madri os aluguéis são mais caros (mesmo o de apartamentos pequenos), mas os salários também são maiores, na média. Barcelona também é uma cidade cara. O ideal é sempre pesquisar especificamente a média de preços da cidade em que você pretende morar.

 

Pontos positivos e negativos da região

Positivos

  • Riqueza cultural e gastronômica.
  • Facilidade de aprender o idioma, pela proximidade com a língua portuguesa (só não faça disso um motivo para se acomodar com o “portunhol”, afinal espanhol fluente é um diferencial cada vez mais valorizado no currículo e no mundo dos negócios.
  • Clima agradável, parecido com o do Brasil.
  • Segurança, saúde, educação e transporte público de qualidade.
  • Estilo de vida mais equilibrado entre trabalho e lazer.
  • Custo de vida mais baixo comparativamente a outras regiões da Europa.

Negativos

  • Não é uma opção para quem deseja estudar inglês.
  • Alta taxa de desemprego, como consequência da crise econômica.
  • Burocracia para conseguir permissão de trabalho.
  • Embora o custo de vida possa ser menor, os salários também são mais baixos, na média.

A EU Business School está presente em três países: Espanha (Barcelona), Suíça (Genebra e Montreux) e Alemanha (Munique). Foi classificada em quinto lugar no QS MBA Guide Return on Investment Report para aumento de salários na Europa, e figura em diversos rankings europeus e mundiais


Uma das grandes vantagens desta universidade é que o ensino não fica restrito à teoria. Os cursos oferecem uma 
abordagem pragmática e experimental, incluindo visitas a empresas como Tesla, Amazon, Credit Suisse, Mars, Freixenet, entre outras, acesso a uma rede de negócios e interação com líderes e executivos do mercado, o que favorece o networking e, consequentemente, amplia suas possibilidades de desenvolver carreira na Europa durante e depois dos estudos.


É importante ressaltar que todas as 
aulas são ministradas em inglês, justamente para promover uma experiência global, já que a universidade recebe alunos do mundo todo. Assim, o networking já começa dentro da sala de aula, entre os próprios colegas, proporcionando também uma rica troca cultural, que só tem a acrescentar em sua experiência de vida e carreira.

Alguns dos professores trabalham em multinacionais, portanto têm não somente o conhecimento teórico, mas também experiência prática no mercado europeu, levando casos de negócios reais para a sala de aula.

Algumas opções de programas oferecidos pela EU Business School são: MBA em Negócios Digitais, MBA em Marketing Internacional, MBA em Negócios Internacionais, dentre outros.


Enfim, cada país tem pontos fortes e fracos, que devem ser devidamente considerados pelos estudantes que desejam estudar fora. Neste post, apresentamos as principais características de alguns dos países mais procurados para intercâmbio na Europa, tanto para estudos, quanto para trabalho .


Esperamos que esse panorama geral tenha contribuído para você identificar (ou pelo menos filtrar) o país ou os países mais adequados para o seu intercâmbio na Europa. Se ainda tiver dúvidas ou precisar de mais informações,
entre em contato com a Spiible que teremos prazer em auxiliar você nessa escolha tão importante!



Quero entrar em contato!